Trabalhando com artesanato há 15 anos, Lílian Silva, 53 anos, foi uma das participantes da Feira Verde Itinerante, que está ocorrendo na Usina da Paz Icuí-Guajará em Ananindeua. A artesã não escondia a alegria e satisfação em fazer parte desse projeto. "Essa ação é de extrema importância para nós artesãs divulgarmos o nosso trabalho, principalmente neste momento de pandemia, onde as nossas vendas caíram bastante, e agora temos esse espaço maravilhoso, que está dando oportunidade a todas nós", disse a artesã.

A ação iniciou na manhã desta sexta-feira (17) e segue até às 20h, e continuará no sábado (18) das 8h às 18h. O evento é promovido pela Secretaria de Estado de Desenvolvimento Agropecuário e da Pesca (Sedap), em parceria com as secretarias de Meio Ambiente (Semas) e de Administração Penitenciária (Seap), a Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Estado do Pará (Emater) e o Instituto de Desenvolvimento Florestal e da Biodiversidade do Estado do Pará (Ideflor-Bio).

"Essa é a segunda edição da Feira, que faz parte do projeto 'Asas Verdes'. O diferencial dessa edição é que além dos artesanatos diversos, trouxemos uma pessoa que trabalha com vendas de plantas e outra que está vendendo alimentos. O objetivo dessa feira é empoderar essas mulheres, já que elas constroem e produzem os produtos só que não tinham um espaço para que elas comercializar e agora tem aqui na Usina, é importante ressaltar que todo o lucro é delas", afirmou a gerente da agricultura familiar agricultura, Cleidiana Monteiro.

A aposentada Rosa Pinheiro, 67 anos, foi até a Usina da Paz, para tirar a identidade da neta, e aproveitou para adquirir alguns produtos da feira. "Hoje eu consegui tirar a identidade da minha neta, estou gostando muito desse completo, que está trazendo muitos benefícios para os moradores aqui de Ananindeua, e também aproveitei para comprar alguns artesanatos aqui na feira, estou achando tudo maravilhoso", disse a moradora.

Moradora do bairro do Icuí-Guajará há 15 anos, a artesã Vera Lúcia Souza, 52 anos, trabalha com sublimação e bolsas. "Hoje em dia tem muitas pessoas que estão sem emprego e buscam no artesanato essa fonte de renda, que foi o meu caso já que eu estava desempregada e eu me encontrei na costura criativa. Esse espaço é maravilhoso porque valoriza o nosso trabalho", disse a participante. 
Amante de plantas, a costureira Benedita Costa, 64 anos, aproveitou a feira.

"Estou achando tudo lindo. Aproveitei para comprar algumas plantas e artesanatos. Esse espaço é maravilhoso, está ajudando muita gente, inclusive a minha irmã que já conseguiu tirar a carteira de identidade dela", destacou a moradora do bairro do Icuí-Guajará, há 29 anos.

EMPODERAMENTO

Ao todo, a ação contou com a participação de 23 mulheres, moradoras do bairro do Icuí-Guajará, que estão vendendo diversos tipos de produtos manuais confeccionados por elas, como quadros, bijuterias, camisas bordadas, jogos americanos, pesos de porta, tapetes bordados, porta-celulares, lixeiras bordadas, dentre outros itens artesanais, além de plantas e alimentos. O gerente geral da Usina da Paz Icuí-Guajará, Alex Melul, destacou a importância desse evento que estimula o empoderamento feminino, a geração de trabalho e renda e a melhoria da qualidade de vida dessas pessoas.

"O programa Territórios pela Paz sempre incentivou o empoderamento feminino e a aqui na Usina da Paz não é diferente. Disponibilizamos diversas ações voltadas para as mulheres e a Feira Verde Itinerante é uma delas. Aqui elas podem divulgar e vender os seus artesanatos, ficamos muito felizes em fazer parte desse trabalho", ressaltou o gerente geral da Usina da Paz Icuí-Guajará.

USINA DA PAZ 

É um complexo comunitário integrado ao programa Territórios Pela Paz (TerPaz) e promove diversas atividades voltadas para o público em geral. São ofertados mais de 80 serviços gratuitos, disponibilizados pelos órgãos e entidades parceiras do Estado, como espaços para atividades esportivas; salas de audiovisual e inclusão digital; atendimento médico e odontológico; consultoria jurídica; emissão de documentos; ações de segurança; capacitação técnica e profissionalizante; espaço multiuso para feiras, eventos e encontros da comunidade.

Também há espaços para cursos livres e de dança, teatro, robótica, artes marciais, musicalização e biblioteca. Além disso, será disponibilizado pela Empresa de Tecnologia da Informação e Comunicação do Pará (Prodepa) sinal de wi-fi gratuito para os moradores que vivem próximo à Usina da Paz. O complexo funciona de terça-feira a sexta-feira, das 8h às 22h, aos sábados e domingos, das 8h às 18h.

Por Elizabeth Teixeira (SEAC)